Publicidade

Publicidade

04/01/2010 - 17:56

Google começa captura de imagens para o Street View em SP e RJ

Compartilhe: Twitter

O Google começou oficialmente nesta segunda-feira a captura de imagens das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro para uso no Street View, o recurso do Google Maps que permite ao usuário “passear” pelas ruas de uma cidade através de fotos do local.

Para isso, uma frota de 30 carros Fiat Stilo vermelhos já circula pelas cidades (20 deles em São Paulo, 10 no Rio de Janeiro). Os veículos foram especialmente equipados para a tarefa, e carregam sobre o teto um “mastro” com equipamento de captura (nove câmeras fotográficas e sensores de distância) além de baterias, um computador e discos rígidos para armazenamento das imagens (e informações de GPS) no porta-malas.  Cada carro tem dois motoristas, que se revezam durante o dia, e é responsável por mapear um “setor” da cidade. São Paulo, por exemplo, foi dividida em 20 setores.

Em teoria o processo de captura é simples. Enquanto o motorista dirige o carro pela cidade as câmeras capturam um novo conjunto de imagens em intervalos predefinidos: em condições de trânsito ideais, a cada 15 metros. As câmeras no mastro são arranjadas de forma circular: oito delas capturam um panorama em 360º ao redor do carro, e a nona câmera captura uma imagem do céu. Software desenvolvido pelo Google costura estas imagens em um panorama “navegável”, pronto para ser integrado ao Google Maps. Mas antes há um passo importante: placas de veículos e rostos de pessoas são “borrados” para que não possam ser identificados e preservar a privacidade.

Uma curiosidade: a captura de imagens é feita apenas em dias de sol. O motivo é que, embora o equipamento em si não tenha problemas com a água, a qualidade das imagens não é boa o suficiente. Também poderiam haver problemas na “costura” das imagens: nem sempre uma rua é capturada de uma vez só, e para o usuário seria estranho ver uma rua ensolarada numa foto e o mesmo local debaixo de chuva no clique seguinte.

Não existe uma data predefinida para que as imagens de SP e RJ (e Belo Horizonte, que já foi mapeada e serviu como “laboratório de testes”) sejam adicionadas ao Street View. O Google quer capturar uma quantidade “substancial” de imagens antes de colocá-las no ar, em um processo de deve levar cerca de três meses. Some-se a isso o tempo necessário para processamento e integração aos mapas e chegamos a uma estimativa de algo entre cinco e seis meses segundo Marcelo Quintella, gerente do produto Google Maps (que engloba o Street View) no Brasil.

Autor: - Categoria(s): noticia, software, web Tags: , , , , ,
14/10/2009 - 12:46

LG e Huawei também tem Android

Compartilhe: Twitter

O Motorola DEXT não é o único smartphone Android a aparecer na Futurecom 2009. Andando pelos corredores da feira, me deparei com mais dois modelos: o LG GW620 é o primeiro smartphone Android da empresa, e tem uma tela sensível ao toque de 3 polegadas, com teclado QWERTY “deslizante” como no modelo da Motorola, formato que está se tornando “padrão” entre os aparelhos com o sistema do Google.

Como convém a um smartphone “top”, ele vem equipado com câmera de 5 MP, memória expansível a até 32 GB, Wi-Fi e GPS. O sistema operacional é o Android “puro”, sem customizações de interface como a HTC fez com o Magic, nem ferramentas de rede social como a Motorola fez com o DEXT. Pra variar, ninguém diz nada quanto ao preço.

Já o modelo da chinesa Huawei lembra bastante o HTC Magic, com tela sensível ao toque mas sem teclado. Entre os poucos detalhes que consegui descobrir estão a câmera de 3.2 MP com autofoco, memória expansível a 32 GB, Wi-Fi e GPS. A data de lançamento, segundo representantes da empresa no stand, é “início de 2010”, e a empresa espera atingir um preço entre R$ 1.099 e R$ 1.199, sem subsídios da operadora. Se isto se concretizar, será o Android mais barato, até o momento, no mercado nacional.

Vejam algumas fotos dos aparelhos

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , ,
14/10/2009 - 09:25

Motorola traz DEXT ao Brasil

Compartilhe: Twitter

A Motorola anunciou durante a primeira manhã da Futurecom 2009 que trará ao Brasil o Motorola DEXT, seu primeiro smartphone baseado no sistema operacional Android, do Google. Anunciado nos EUA (onde é conhecido como Cliq) em setembro, o aparelho chega às lojas de todo o Brasil “na terceira semana de novembro”, mas a partir de hoje interessados em adquirí-lo já podem fazer um “pré-cadastro” no site do fabricante.

Motorola DEXT

O DEXT é um smartphone com teclado QWERTY integrado, tela de 3.1 polegadas sensível ao toque, câmera de 5 MP, GPS, Wi-Fi, 3G e memória expansível a até 32 GB com cartões microSD. Mas o hardware é secundário, e a principal estrela do aparelho é o software. Como disse anteriormente:

O sistema operacional é o Android, do Google (versão 1.5), integrado com uma “plataforma social” desenvolvida pela própria Motorola batizada de MOTOBLUR. A idéia é integrar informações sobre seus contatos em múltiplas redes sociais em um único ponto, para que você possa acompanhar “de relance” tudo o que acontece.

Suponha que um amigo telefone para você: na tela surgem a foto dele, número do telefone e último “status” publicado em uma rede social. Ao responder a uma mensagem, você pode escolher por onde quer que a resposta seja enviada: e-mail, SMS, MMS, Twitter, Facebook, etc.

Na agenda, as informações de contato de uma pessoa são agrupadas com todo o seu histórico de conversas com ela. Aplicativos como o “Happenings” mostram tudo o que acontece com seus amigos em um único local, e o “Social Status” permite que você atualize seu perfil em várias redes sociais de uma vez só.

Tudo isso é integrado a uma solução de backup, que armazena informações de login, conversas e listas de contatos em um servidor seguro da própria Motorola. Se você perder o telefone, ou mudar de aparelho, pode restaurar facilmente o backup com apenas alguns cliques. O serviço também faz uso do GPS para localizar aparelhos perdidos ou roubados, mostrando sua posição em um mapa, como no iPhone.

O aspecto social do MOTOBLUR é importante no Brasil, onde segundo pesquisas recentes 80% dos usuários de internet usam uma rede social, contra 66% da média mundial.

O sistema de “pré-cadastro” para compra é curioso: não se trata de uma pré-venda, mas apenas de uma espécie de “declaração de intenção de compra”, o equivalente a dizer “Motorola, eu quero um DEXT”. Mais tarde, o usuário será contactado pela operadora que irá comercializar o aparelho no Brasil (a Claro, com exclusividade até oinício de 2010) com uma proposta de venda mais formal.

A idéia por trás da ação é clara: gerar expectativa (hype), dando ao aparelho um ar de “produto da moda/exclusivo” e “compre já antes que acabe” como aconteceu quando o iPhone chegou ao Brasil.

O que os usuários que fizerem o “pré-cadastro” não vão saber é o preço, que ainda não foi divulgado. Haverá várias opções, atreladas a diferentes pacotes de minutos e planos de dados como no iPhone, mas os detalhes ainda não foram definidos. Segundo João Cox, presidente da Claro, o preço estará “no patamar do iPhone” e o aparelho também será oferecido “desbloqueado”, sem subsídios.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags: , , , , ,
17/09/2009 - 10:32

HTC Magic chega ao Brasil

Compartilhe: Twitter

HTC MagicDemorou, mas finalmente o primeiro smartphone equipado com o sistema operacional Android, do Google, está chegando ao Brasil. O HTC Magic é um smartphone GSM/3G com tela sensível ao toque de 3.2 polegadas, câmera de 3.1 MP, memória expansível com cartões microSD, Wi-Fi (802.11 b/g) e GPS.

Ao contrário de seu antecessor, o HTC G1 (que não saiu no Brasil) e de outros aparelhos Android como o recém anunciado Motorola CLIQ, ele não tem um teclado QWERTY integrado. A digitação de texto é feita através de um teclado virtual. O GPS é acompanhado de uma bússola digital, recurso útil que permite orientar mapas (como no Google Maps) na direção em que o usuário está olhando. O processador Qualcomm de 528 MHz garante o desempenho.

O Magic brasileiro tem a interface gráfica Sense (ausente no modelo disponível no exterior), desenvolvida pela própria HTC, que facilita o uso do aparelho e tem com base conceitos como Make it Mine (Personalização), Stay Close (proximidade através da comunicação) e Discover the Unexpected (descobrir novas oportunidades de entretenimento).

É possível criar “perfis” de interface, que podem ser associados a diferentes momentos de sua vida. Por exemplo, um perfil com a agenda do trabalho na tela principal para usar durante a semana, e um com a previsão do tempo e um media player para o fim de semana. Usando o GPS integrado, o Magic é capaz de se adaptar ao local onde está: a previsão do tempo e relógio, por exemplo, se ajustam automaticamente.

A integração com redes sociais também é um destaque, mostrando na lista de contatos, por exemplo, as últimas mensagens de seus amigos no Facebook, atividade mais recente no Flickr e eventos (como aniversários), além de nome e telefone. Tal integração pode ser global, ou definida por contato. Outro exemplo é a integração do álbum de fotos do aparelho com serviços online como o Flickr ou Picasa.

Falando em imagens, um conceito interessante são os “footprints” (pegadas), imagens combinadas a informações do GPS e descrições do usuário, que o ajudam a se lembrar de uma experiência agradável. Por exemplo, se o usuário criar um “footprint” da Torre Eiffel, em Paris, sempre que voltar à cidade será lembrado daquele momento.

O navegador tem suporte a gestos (como “pinçar” para zoom, deslizar os dedos para rolar a página) e suporte a animações e vídeos em Flash, tecnologia cada vez mais comum na web e ausente em aparelhos como o iPhone, da Apple.

Segundo a HTC, o Magic chega às lojas do país na segunda semana de outubro, em todas as principais operadoras e no varejo. O preço não foi divulgado (apesar da insistência dos jornalistas presentes ao evento de lançamento).

No exterior a HTC comercializa quatro aparelhos Android: o HTC G1 (o primeiro modelo a chegar ao mercado), Magic (também chamado de “G2”), Hero e o recém anunciado Tattoo, um modelo de baixo custo. Não há previsão para a chegada destes outros modelos ao Brasil.

Autor: - Categoria(s): evento, hardware, noticia Tags: , , , , ,
27/08/2009 - 17:54

Co-fundador do YouTube se encontra com usuários em SP

Compartilhe: Twitter

Chad Hurley, o co-fundador do YouTube, fez uma rápida passagem pelo escritório do Google em SP nesta quinta-feira. Mas em vez de falar sobre seu site e planos para o futuro, ele inverteu os papéis e se sentou para ouvir de alguns “super-usuários” brasileiros, os que tem o maior número de vídeos publicados ou de visitas, como eles usam o serviço e o que gostariam de ver no futuro.

Gente como DJJabar, que usa as trilhas de áudio dos clipes no site como “samples” para fazer mixagens em tempo real e a equipe da JustTV, uma “emissora” que opera online, entre muitos outros.

Hurley ouviu pedidos como a criação de uma ferramenta dedicada para o upload de vídeos longos, 1 GB ou mais, que permita continuar o envio de um video do ponto onde foi interrompido por uma queda de conexão ou energia, por exemplo. Embora tal tarefa seja fácil e rápida nos EUA, onde as conexões de banda larga predominam, no Brasil pode levar mais de seis horas, e uma interrupção repentina pode causar a perda de ainda mais tempo.

Segundo o executivo um dos projetos em andamento no YouTube, de codinome “Viper”, pode ajudar a resolver alguns dos problemas apontados, já que tem como objetivo deixar o site mais ágil. Um dos novos recursos seria uma função de encoding (conversão do arquivo) simultâneamente ao upload, eliminando ou ao menos reduzindo drasticamente o tempo de espera entre um vídeo “subir” e quando ele efetivamente “entra no ar”.

Infelizmente, o tempo reservado para o encontro (que durou pouco mais de 40 minutos) foi insuficiente para que todos os presentes pudessem se apresentar e compartilhar suas histórias e sugestões. Chad Hurley veio ao Brasil para um debate no Digital Age 2.0, evento que aconteceu entre os dias 26 e 27 de Agosto em São Paulo, reunindo especialistas internacionais e nacionais em marketing, publicidade, comunicação, negócios e internet, para discutir e entender as mudanças que a Web está provocando nas empresas, no relacionamento com o cliente e nos planejamentos de mídia e conteúdo.

Autor: - Categoria(s): evento, noticia Tags: , , ,
Voltar ao topo