Publicidade

Publicidade
03/12/2008 - 09:39

Feito em casa

Compartilhe: Twitter

Encontrei há alguns dias na internet um dos projetos de hardware mais impressionantes que já vi nos últimos tempos. É o Uzebox, um videogame feito “em casa”, que tem como componentes principais apenas… dois chips! Duvida? Então dê uma olhada na placa:

Todo o resto são componentes discretos (resistores, capacitores, LEDs). E o melhor: o projeto é aberto: a “planta”, instruções e listas de componentes podem ser baixados gratuitamente por qualquer um que queira reproduzir o brinquedo. E alguns sites até vendem “kits”  com a placa, chips, componentes e um joystick, prontinhos para a montagem: é só soldar.

O “coração” do console é um microcontrolador ATmega644, da Atmel (rodando a 28 MHz), que sozinho funciona como CPU, processador de vídeo, chip de som e controlador de I/O. O único outro chip é um AD725, da Analog Devices, responsável por pegar o sinal de vídeo RGB produzido pelo ATmega644 e converter em um sinal NTSC que qualquer TV moderna entende.

o autor (que se identifica como “Uze”) quis manter tudo o mais simples possível, por isso há algumas limitações: 4K de RAM, e um tamanho máximo de programa (ou jogo) de 64K. Isso porque adicionar chips extras para controlar memória externa iria deixar o projeto mais caro e complexo. Parece pouco, mas o resultado final lembra, em complexidade, os consoles da era 8-Bits, como o Nintendinho, mas com gráficos mais coloridos, como mostra o videozinho abaixo.

Conheça mais sobre o projeto Uzebox em seu site oficial. Kits estão à venda na Adafruit Industries e Embedded Engineering, por preços que variam de US$ 70 a US$ 100.

Autor: - Categoria(s): hardware, noticia Tags: , , , ,

Ver todas as notas

2 comentários para “Feito em casa”

  1. Creio que como fonte de estudos para jovens entusiastas, é uma boa idéia, pois incentiva a garotada a querer superar seus limites de conhecimento. Como produto comercial, achei caro, 100 dólares por um 8 bits é muito, nos dias de hoje.

  2. […] SITE: Uzebox FONTE: Colunistas de Tecnologia do IG […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo